Islândia que cabe no bolso: uma aventura da terra do gelo e do fogo

No meio do caminho entre a Europa e a América do Norte repousando sobre uma divisão de placas tectônicas se encontra a terra do gelo e do fogo, um dos territórios mais novos do nosso planeta. A Islândia, porém abriga muito mais que gelo e fogo, mas também vulcões, infinitas cachoeiras, geysers, águas termais, praias de areia negra, aurora boreal, sol da meia noite, paisagens que a cada quilometro te fazem sentir como se fosse transportada para um planeta diferente. E não é só de paisagens naturais que ela vive! A cultura islandesa é rica e sua população é referência em educação. Na Islândia ao menos 10% da população já escreveu ou pretende escrever um livro, eles possuem o parlamento mais antigo do mundo e a honestidade reina por lá! No primeiro semestre de 2016 o primeiro ministro foi citado em um esquema de corrupção e a população imediatamente foi as ruas. No dia seguinte ele renunciou ao cargo simplesmente porque a moral e ética do povo islandês não tolera que seus políticos tenham sequer o nome ligado a qualquer tipo de esquema e corrupção! Acho que o Brasil precisa de um intercâmbio pra ter umas aulas por lá, mas isso já é outra história!

Perdida no meio do Atlântico no Círculo Polar Ártico a ideia de conhecer a Islândia parecia surreal demais para ser concretizada até que em uma tarde ensolarada no fim de abril de 2016 encontrei uma grande amiga (Mel <3) que tinha acabado de voltar de lá e foi ali que descobri que o sonho era possível e o melhor de tudo: cabia no bolso! A época de ver a aurora boreal já estava acabando (geralmente a melhor época vai de setembro a abril), mas em compensação em maio teríamos o famoso sol da meia noite que permite curtir praticamente 24hrs do dia e ver a Islândia sob a óptica da primavera que muda completamente as paisagens. Sem dúvida é unanime de todos que visitam a ilha que ela merece ser visitada ao menos duas vezes, uma próxima do verão e outra do inverno, por conta da modificação do cenário e especialmente porque a saudade que fica quando vamos embora de lá é difícil de lidar!

Juntando todas as informações possíveis com a Mel, pesquisando um bucado e tirando a coragem da gaveta resolvi buscar companhia para desbravar a ilha islandesa por 7 dias em nada menos que uma campervan. Pra quem não sabe (assim como eu na época) uma campervan é um motorhome mais compacto, a escolha pela campervan foi para dar mais flexibilidade ao roteiro podendo escolher quanto tempo ficar a mais (ou menos) em cada local e não ter que se preocupar quanto a correr para chegar em um local x por conta de uma reserva em hotel (e é claro por termos $$$). O lado negativo é que as campervan normalmente não vem com banheiro o que limita bastante o número de banhos na viagem (imersão na cultura europeia já começa aqui rs). Postei o convite em um grupo de couchsurfing e para minha surpresa fechei não só uma campervan, mas duas e assim foi dada a largada para os preparativos!

– Passagens: Basta dar uma olhada no mapa para ver que os islandeses não gostam muito de vizinhos rs. A maneira de chegar a ilha é somente por avião com destino a capital Reykjavik (capital mais ao norte do mundo J). Você pode encontrar voos baratos pelas empresas low cost: EasyJet, WOW Air saindo do Reino Unido e da Dinamarca. Na época eu fazia intercâmbio na Bélgica e o melhor custo benefício foi pegar um vôo Bruxelas – Copenhagen (10 euros ida e volta pela querida e amada ryanair) e de lá para Reykjavik, ida e volta totalizando cerca de 150 euros! Se você ainda não conhece a capital dinamarquesa vale a pena ficar no mínimo uns dois dias por lá! Adendo: Lembrar de ler os regulamentos de bagagem para cada empresa aérea, as bagagens costumam ser de tamanho limitado, mas há possibilidade de comprar opções para tamanhos e quilos extras, caso optar por isso é aconselhável comprar a bagagem extra com antecedência (na hora do check in costuma ser mais caro L).

——————

Leia mais: 15 lugares imperdíveis na Islândia

——————

– Aluguel Campervan: Não é necessária carteira internacional para dirigir na Islândia, basta a CNH válida. Pro aluguel do campervan recomendo muito as empresas Go Campers e Kuku Campers. Acabamos fechando com a Kuku Campers pela indisponibilidade de carros da Go Campers no período. O aluguel para 7 dias em uma campervan com capacidade para 5 pessoas totalizou 250 euros para cada. Este valor já incluía o seguro do carro e uma taxa de 60 euros para que o retorno do carro fosse no aeroporto e não no escritório da empresa. Aqui vale ressaltar algumas dicas preciosas: faça uma inspeção minuciosa no carro, sente nas camas para ver se não quebram, teste a água, aquecedor. Faça sempre o seguro do carro, pois o clima lá pode ser traiçoeiro, mesmo fora do inóspito inverno! Quando estávamos chegando na Kuku Campers um carro tinha tido a porta arrancada pelo vento em plena primavera em maio, calculem a nossa expressão! L No carro há um mini fogão para cozinhar e utensílios de cozinha. É necessário comprar gás para o mini fogão, cada gás custava 10 euros e utilizamos em torno de 3-4 gás por carro em 7 dias de viagem, sendo que cozinhamos todos os dias (almoço, janta e o café e chá de toda hora!). Lembrar sempre que ao parar em estabelecimentos como postos de gasolina checar o nível do reservatório de água e reabastecer ele se necessário! O reservatório de água serve para lavar pratos, escovar os dentes e tudo mais 🙂

– Horário de funcionamento locadoras de Campervan: Fique atento no primeiro dia quando for buscar a campervan que as empresas fecham às 17h e o transfer do aeroporto demora uns 30 minutos até lá. É necessário solicitar para o motorista do transfer para ele parar no caminho, porque as lojas de aluguel das campervan não são na cidade em si ainda.

– Transfer Aeroporto: Para sair do aeroporto há um transfer que custa 18 euros por pessoa, No nosso caso para economizar foram apenas duas pessoas que iriam se cadastrar como motoristas de cada um dos carros. Após irem na Kuku Campers retornaram para nos buscar no aeroporto diminuindo assim os gastos! J

– Aeroporto Reykjavik: O aeroporto de Reykjavik é pequeno, mas possui wifi e casa de câmbio! Quando chegarem lá é importante comprar um chip no duty free, custa 15 euros e já vem com 1gb de crédito. Todos os dias de manhã antes de sair, ligar para o 1777, o trabalho deles é te dar informações importantes como condição das estradas, meteorologia e conselhos. No site road.is você pode ver as condições de todas as estradas, inclusive fotos de cada pista, quase que em tempo real. No site vedur.is você pode ver toda a meteorologia em cada parte da ilha: previsão de neve, chuva, velocidade do vento. Caso você optar por ir no inverno o site também possui uma sessão de Aurora Forecast, mostrando em branco as áreas de céu limpo (melhor lugar para caçar a aurora), bem como a previsão para o resto do dia em intervalos de 3 horas.

– Moeda: coroa islandesa. A conversão para real funciona da seguinte maneira: R$ 0,03 = 1 Kr (ISK) (Valores atualizados para 2017).

– Mala: independente da época do ano que você irá visitar não subestime o frio! Durante a noite e no início da manhã as temperaturas costumam ser mais baixas no mês de maio. A nossa campervan veio com aquecedor, o qual deixávamos ligados somente durante a noite, mas mesmo com ele recomendo levar um saco de dormir e meias quentinhas para esquentar os pés! Lembrar de levar lenços úmidos (banho de gato), roupas de banho para entrar nas termas, carregador portátil, um sapato confortável de caminhadas e de preferência impermeável.

– Mantimentos: Como íamos de campervan e sabíamos do alto preço de mercados por lá (alto custo de importar produtos por serem uma ilha no meio do Atlântico) levamos vários mantimentos já de casa! Levamos desde sopa pronta, macarrão, bolachas, molho de tomate enlatado, sal, temperos, café, chá. Resumindo: dispensa de todo universitário que se preze! Lembrar de checar na companhia aérea os alimentos que são proibidas de levar em voos, pode variar dependendo do país. Para compras lá sempre procurávamos o mercado bónus que tem como logo um porquinho um tanto pitoresco (sinal de economia garantida). A campervan dispõe de mini frigobar para armazenar produtos perecíveis.

– E o mais esperado: o roteiro!!! Vou disponibilizar o link no qual nos baseamos para a viagem abaixo. Discutimos previamente o que iriamos ver com certeza, os must-see, que estão marcados em preto no mapa! Os demais pontos discutíamos conforme o andar da viagem no intuito de flexibilizar o roteiro e priorizar o que era imperdível. Ao lado do mapa no link você pode checar uma sugestão de roteiro e atrações divididos por dia para uma semana de viagem! Você logo vê no nome dos lugares que o islândes assim como as outras línguas nórdicas tem tudo para fazer parte de qualquer trava língua nível difícil rs. Grande parte dos pontos turísticos é localizado próximo a capital islandesa o chamado Golden Circle, muitas empresas fazem excursões para essas atrações partindo da capital, caso você tenha poucos dias disponíveis pode contratar esse serviço ou alugar um carro na capital e fazer vários bate e volta. Optamos por fazer a Ring Road que dá a volta no país e que eu considero imperdível! O norte da Islândia em especial é um lugar muito pouco habitado e carrega aquela magia que locais praticamente intocados tem!

https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1ztvlR6YhANfjJVT-Rnt0dfsBLdU&ll=64.89483018850493%2C-19.580237819915965&z=6

Gentilmente escrito por nossa amiga Caroline Marques Vieira. Obrigada!

Ah, eu já ia esquecendo… Não deixe de nos acompanhar nas redes sociais

Facebook: www.facebook.com/filosofiadeviajante 

Instagram: www.instagram.com/blogfilosofiadeviajante

Pinterest: br.pinterest.com/fdeviajante/pins (temos uma galeria de fotos super especial esperando por você)

Gostou? Quer nos contar sua experiência de viagem? Deixe um comentário!